Opiáceos

Tipos de opiáceos

Os opiáceos podem ser de três tipos:

:: Naturais: :: Semi-sintéticos: :: Sintéticos:
são aqueles extraídos diretamente de uma flor chamada papoula (Papaver somniferum). Um líquido leitoso (ópio = suco) escorre do botão da papoula quando nele são feitos finos cortes. Nele encontram-se várias substâncias: a morfina e a codeína. são obtidos em laboratório (sintéticos), mas a partir da molécula da morfina (natural). O opiáceo semi-sintético mais conhecido é a heroína.
foram criados totalmente em laboratório e quase todos possuem utilização médica, principalmente como anestésico geral e alivio de dores graves como no caso de câncer. O mais conhecido e que causa mais problemas de dependência de opiáceos no Brasil é a meperidina (Dolantina®).
drogas_opiacaeos1
drogas_opiaceos2
drogas_opiaceos3

FIGURA 1: Papaver somniferum, cuja flor é a papoula e do fruto se extrai um líquido leitoso chamado ópio [figura abaixo à direita]. O ópio contém duas substâncias: a morfina e a codeína. Ambas são opiáceos naturais.

FIGURA 2: Algumas apresentações da heroína (opiáceo semi-sintético).

FIGURA 3: Opiáceos sintéticos: fentanila e meperidina.

 

Aparência

Os opiáceos sintéticos são fabricados na forma de comprimidos ou ampolas. A heroína é um pó nas cores branca ou marrom (brown sugar). Pode ser cheirada, fumada ou injetada.
drogas_opiaceos4

FIGURA 4: Os opiáceos podem ser consumidos por qualquer via de administração. Até o início do século XX, fumar o ópio era o hábito mais difundido [à esquerda]. Com o aparecimento da heroína refinada, o barateamento das seringas e a busca por efeitos mais intensos, tornaram o uso endovenoso (‘pico’) [à direita] bastante popular entre os usuários de opiáceos na Europa e nos Estados Unidos.

 

Riscos à Saúde

– Os opiáceos têm alto potencial de dependência;

– Doses excessivas podem levar à overdose, coma e até mesmo à morte;

– As crises de abstinência são intensas e requerem internação.

– O compartilhamento de seringas aumenta o risco de infecções por bactérias e vírus, como a AIDS.

 

Fonte: Site Álcool e Drogas sem Distorção (www.einstein.br/alcooledrogas)

Programa Álcool e Drogas (PAD) do Hospital Israelita Albert Einstein

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *