Por que o álcool pode matar? Feature / O álcool

Se em comerciais só aparece gente feliz, divertida e bem acompanhada enquanto está consumindo algum tipo de bebida alcoólica, na vida real, a mesma substância é motivo de tristeza para muitas famílias. Se você ainda tem dúvida, veja a seguir como o álcool pode matar:

Doenças

Ao longo dos anos, o consumo de álcool pode provocar diversas doenças das quais algumas podem matar se não forem descobertas e tratadas logo no início. “O consumo de álcool crônico mata porque causa problemas cardiovasculares, câncer e doenças no fígado”, explica o médico Ronaldo Laranjeiras, coordenador da unidade de pesquisa em álcool e drogas da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

O mais comum entre esse tipo de pessoa é a morte por problemas cardiovasculares, pois o álcool causa hipertensão e enfraquece coração, veias e artérias. Já as doenças do fígado (como a cirrose) correspondem a cerca de 15% das mortes dos alcoolistas.

Intoxicação aguda

A cantora Amy Winehouse ficou marcada pela voz e pela sua morte causada pela excesso de álcool. Aqui no Brasil, o caso mais recente foi do jovem Humberto Moura Fonseca, que morreu durante uma festa universitária após participar de uma competição alcoólica.

Nesses casos, o que ocorre é que o organismo não consegue metabolizar a grande quantidade de álcool no corpo. Então, o álcool age como uma substância depressora do sistema nervoso central, fazendo com que a pessoa fique sem os sentidos, podendo fazer com que a área do cérebro responsável por controlar a respiração e o coração, podendo provocar uma parada cardíaca fulminante, por exemplo.

Acidentes e Violência

Não posso deixar de falar do quanto o álcool também pode prejudicar pessoas inocentes no trânsito. Apesar de ser proibido dirigir após beber e de ter caído os índices de acidentes envolvendo a bebida alcoólica no país com a Lei Seca, ainda há motoristas que se arriscam e, com isso, ainda há acidentes de trânsito em que o motorista estava alcoolizado.

O álcool também está relacionado à violência, sendo responsável como gatilho para brigas e homicídios em todo o país.

Com dados de: CISA e G1


Comecei a ingerir bebidas alcoólicas aos 14 anos de idade, me tornei alcoólatra e hoje estou em recuperação.