Primeiros goles de álcool já causam alterações cerebrais Estudo de brasileira que trabalha em instituto nos EUA revela que os efeitos são imediatos

A primeira dose de álcool é o suficiente para provocar alterações cerebrais que levam à busca de recompensa por mais bebida e à mudança de comportamento. Esse é o resultado prévio de uma pesquisa que está sendo realizada por uma cientista brasileira nos Estados Unidos e apresentada nessa quinta-feira (21) na UFMG.

A farmacologista Karina Abrahão, doutora pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e membro do Laboratório de Neurociência do Instituto Nacional de Abuso de Álcool e Alcoolismo – que integra os Institutos Nacionais de Saúde (NIH), nos EUA –, está estudando esses efeitos já nas primeiras doses de etanol desde 2014. “Usei como base o efeito agudo do álcool, ou seja, aquele que acontece logo depois das primeiras goladas. O estudo ainda está em desenvolvimento, mas sabemos que há, sim, algumas consequências decorrentes disso”, explica.

A pesquisa revela que os primeiros goles alcoólicos geram atividade em regiões do cérebro responsáveis pela recompensa. “Por exemplo: você come um chocolate, gosta e isso vai aumentar os neurotransmissores que atuam com a recompensa, que vão influenciar o cérebro a pedir mais por aquela sensação”, aponta Karina.

Seja com um copo de uísque, uma taça de vinho ou uma lata de cerveja – quantidades consideradas mínimas – e ainda nos primeiros minutos, o álcool começa a agir sobre os neurotransmissores – substâncias responsáveis pelas trocas de mensagens entre as células cerebrais. Principalmente sobre dois, fundamentais para o comportamento humano: o ácido gama-aminoburítico (Gaba) e a serotonina.

Os neurotransmissores estão divididos em dois grupos: excitatórios, quando estimulam a atividade elétrica do cérebro, ou inibitórios, quando a reduzem. O etanol aumenta os efeitos do Gaba, um neurotransmissor inibitório, o que causa os movimentos lentos e a fala enrolada que pode se observar em pessoas alcoolizadas.

Simultaneamente, inibe o neurotransmissor excitatório glutamato, suprimindo seus efeitos estimulantes. Isso deixa as pessoas mais relaxadas e com capacidade de interagir melhor com grupos. Quanto mais Gaba, mais autocontrole.

Quase ao mesmo tempo, o álcool também aumenta a liberação de serotonina, que regula o prazer e o humor. Com mais serotonina, que é considerado o hormônio da felicidade, as pessoas ficam mais eufóricas – e podem ser tornar mais violentas.
Brasil. O consumo de álcool per capita no país aumentou 43,5% em dez anos. Em 2006, cada brasileiro a partir de 15 anos bebia 6,2 litros de álcool por ano. No ano passado, a taxa chegou a 8,9 litros.
Expectativa é tratar o alcoolismo antes do vício

As descobertas podem ajudar no tratamento de pacientes durante o abuso do álcool, ou seja, antes mesmo de eles criarem a dependência química, defende a farmacologista Karina Abrahão. Isso pode evitar que o consumo alcoólico chegue a níveis mais drástico. “Entendendo melhor os detalhes do efeito alcoólico no cérebro, melhor entenderemos como combatê-los”, pondera.

As maiores alterações eletrofisiológicas do álcool foram registradas na região do tálamo, que é um dos principais centros da organização cerebral. Isso porque o etanol é uma substância complexa, com ação farmacológica muito variada e que atua como depressor sobre o Sistema Nervoso Central (SNC).

Fonte : THUANY MOTTA – O Tempo

Um comentário sobre “Primeiros goles de álcool já causam alterações cerebrais Estudo de brasileira que trabalha em instituto nos EUA revela que os efeitos são imediatos”

Deixe uma resposta para dayane Cancelar resposta