Paulo Leme Filho:  “A Cracolândia é um problema humano e não  geográfico” Alcoolismo / Depoimentos / Drogas / Feature / Notícias

Advogado e candidato a deputado  estadual pela Rede diz que Bruno Covas repete Doria ao tratar a dependência química como problema migratório

 

A imprensa de São Paulo noticiou que a gestão do prefeito Bruno  Covas  pretende mudar o endereço da Cracolândia:  da região central  para a Zona Norte –  nas proximidades do Shopping D, na marginal, e da rodoviária do Tietê.

Para atrair os dependentes químicos,  segundo o noticiário, a Prefeitura  iniciou por conta própria, sem consultar ninguém, a construção de uma nova tenda que vai  oferecer acolhimento e serviços de  higiene, alimentação e pernoite aos dependentes.

A medida faz parte do programa Atende, voltado para pessoas dependentes em crack, iniciado na gestão João Doria e continuado pelo sucessor Bruno Covas.

Paulo Leme Filho avalia que a possível transferência dos serviços de atendimento aos dependentes para a ZN, sem ouvir a sociedade e as pessoas que acompanham o problema diariamente, é uma nova prova da incapacidade da administração do PSDB de humanizar os procedimentos na questão da dependência química.

O advogado recorda a midiática operação policial, em maio de 2017, na gestão Doria,  para desocupar a Cracolândia.  “Na época, as manchetes foram: Doria diz que a Cracolândia acabou. Mentira. Ela, na verdade, se espalhou na cidade”, diz ele.

Paulo Leme  Filho reforça que a gestão tucana, nos dois casos, toma medidas sem considerar a realidade das  pessoas. “A dependência química é uma doença. Não pode ser tratada com um problema migratório. Despejar ou deslocar pessoas não é o caminho correto para salvar vidas”, defende o advogado.


Comecei a ingerir bebidas alcoólicas aos 14 anos de idade, me tornei alcoólatra e hoje estou em recuperação.